09 setembro 2015


Relâmpago da Folha Seca
                                                                             Pepe Donato

A folha cai
E estala um estrondo, um ai
Um rombo que vara
Os cantos calados, os cactos imóveis
E um tanto assustados (e arrepiados)

A folha cai
E muda o desenho dos rastros
De bichos mirados por bichos
Irados de fome e certeza

Um bicho tem que ir à mesa
Um bicho tem quer ser a presa

A folha cai
É o relâmpago da folha seca
É o espanto da minha incerteza
É o meu medo de não ter a mesa

O aviso da folha rasgando o pó
A pedra ecoando uma nota sol
O verde do algodão de seda
Insiste em ser só

Se as folhas não me falam nada a mais
Um dano que nem sabe o juá
E a flor que já nasce velha, voa
E cor que já amarela o céu

E o vento arde sem nem ter o dom de arder
O sol presente, tão presente,
atrai as folhas no vapor de tantos nãos


12 agosto 2015

Fotografia de  Questavia

Vindo - Pepe Donato 

Volto
Onde estive nem meu rastro insistiu no passo
Volto
Há que diga que eu nunca fui de longe o mesmo
Volto
De repente a madrugada acorda e vem comigo
Volto
Sete séculos pra um poeta apaixonado é pouco
Volto
Minha vida pede a toda hora a vinda deste louco
Volto
A felicidade em minha volta nem cabe em meu corpo
Volto
Porque eu nunca, sem poesia, chegaria neste ponto.

------------------------

*(eu nunca deveria ter deixado de postar no meu blog)
                                                                                        


20 abril 2012

Intenso INTENSO intenso InTeNsO

INTENSO
Pepe Donato

Eu sou assim
O calor da estrela
O feitio da areia
Ar do mar
A lua giga
Eu vou assim
O cavalo negro
Pó da pedra e vento
Raso mar
Sol no relento
Eu vivo assim
Horas para o dia
Anos de alegria
Tempo vai
E vem o tempo
Eu sou assim
Lastro largo e denso
Dores, eu dispenso.
Super-Eu
Eu me aguento
E, sempre assim
A colmeia cheia
O valor da ceia
Barro e mãos
O rio das veias
E, sendo assim,
O sabor da brisa
Fome da matilha
Chumbo e chão
Eu sou intenso
Até o fim
O pendor da água
O olhar da águia
Fio de luz
Espécie rara
Até o fim
O peixe da chuva
O vinho na mesa
Pão do Pai
A vida imensa
Será que sim?
Homem são e reto
Verbos sempre certos
Voz do céu
Som do deserto
Super-Eu
Intenso

*Dedico este poema a pessoas intensas como Edy Gonçalves.

16 dezembro 2011

sobre a saudade


Saudade é um ponto final pedindo reticências – já disse Lucia Linhares.
Eu?
Eu vivo em saudades.
Assim mesmo. Como se fosse um lugar e não um verbo.
Não sofro de saudades.
Não morro de saudades.
A saudade é um braço meu.
Um terceiro braço.
Não tenho como me livrar dela, assim como não desejo me livrar dela.
A saudade me abraça e me afaga; me levanta e me balança; me acompanha e me desperta.
A saudade vive, numa boa, em mim e eu...
Vivo em saudade.

*hoje faz 5 anos que a saudade vive em mim: tranquila, mas intensa; densa, mas serena.

30 setembro 2011

saber de tudo



SABER DE TUDO      Pepe Donato
É bom saber de tudo um pouco
Melhor saber um tanto sobre nós
Pois quando o dia fica turvo e louco
Quem vai saber?

É bom saber que você pensa assim tão grande, tão além
Do aquém, onde eu me encontro desde mim, sem ninguém
é bom saber que tudo está mais leve pra você
E que amanhã, melhor será, o tanto que vier

Que venha o sol brilhar e a sorte
Pende ao sul de mim e ao norte
Um vento forte e a sua luz vai nos dizer então
Que o mundo está melhor e os corações sabem porquê
Que todo mundo sabe tudo e tudo flui tão clean

O homem está mais livre e toda cruz é um souvenir
Pra quê a honra existe se é bem mais simples mentir
E, às vezes, pra lembrar uma palavra de amor
Recorre a um livro alheio sem memória e sem autor

Mas, tudo bem, você acredita que tá tudo bem
Melhor pensar assim do que deixar o astral cair
A ponto de você ficar sem rumo
A ponto de esquecer do seu futuro
Melhor assim

letra de música dedicada a Carlos Maltz, de história bonita, de presente aceso e futuro em chamas.

28 setembro 2011

não era dança, não era nada


...e o silêncio se torna uma agradável espuma de éter
Porque eles já não falavam de amor nem do mal
E já não era dança, chuva ou luar
Nem era brincadeira, forró, carnaval...
Desagradar o silêncio, nem raios de luz
Fazem sem o cuidado de impor seu trovão
Que tem o meu respeito por saber gritar
Eu prefiro dançar sem um som, sem ninguém
Do que ouvir o berrar do nada sobre o vazio

*(*estes versos não merecem uma imagem(*

26 setembro 2011

sua alegria

Infelizmente não sei de quem é esta foto. Que o autor me perdoe.

O que é sua alegria
Quando você grita e
Tenta calar quem te ouviu
Quando você chora
E tenta sangrar quem sorriu
Quando você mente
E tenta enganar sua fé
Quando você foge
E tenta trazer quem feriu
Quando você morre
E tenta viver sua paz
Quando você perde
E deixa perder um pouco mais
Quando você ama
E deixa outro amor escapar
Quando você acorda
E vê tantas horas pra trás
Quando você anda
E vê que não dá mais
O que é a sua alegria?

22 setembro 2011

Enquanto Você Surfa no Hawaii


ENQUANTO VOCÊ SURFA NO HAVAI / Pepe Donato

Toda vez que toca essa canção eu penso que você
Ainda está por perto/
Prefiro acreditar nessa ilusão
Toda vez que chove de manhã em Porto Alegre (na sua pele)
As lágrimas são leves/
Mas nada espanta a solidão.

Sei que você anda pelo mundo, distraída.
Enquanto eu sobrevivo/
Ao labirinto da imaginação/
De lembrar seus lábios quando cedem
Aos meus instintos frágeis
Um sentimento sem noção.

Enquanto você anda por aí
Eu faço contas que não fecham
Enquanto a ficha cai eu nego
Não. Não caio de novo por uma paixão.

Hoje ouvi no rádio uma canção de despedida
Por que você não liga
Só pra dizer que nunca vai voltar
Vou descer a serra na neblina
E enfrentar a sina
De quem só sabe o que é amar

Enquanto você surfa no Havaí
Eu tiro as pedras das janelas
Enquanto faço downloads,
Corro em vão
E caio de novo...

Enquanto você anda por aí
Eu faço contas que não fecham
Enquanto a ficha cai eu nego
Não. Não caio de novo por uma paixão.
--------------------------------------------------------------------------------
letra de uma música minha em homenagem à banda  Engenheiros do Hawaii. Qualquer dia posto o audio.